Como viajar com cachorro para o exterior [2019 – Parte 1]

Você quer viajar com o seu pet pra fora do Brasil e ainda não sabe como? Calma, que nesse artigo e no vídeo abaixo iremos esclarecer tudo pra você. Abaixo daremos 3 dicas essenciais para você fazer uma viagem internacional de avião com o seu cachorro sem sofrimento e sem surpresas desagradáveis.

Quem passa por isso muitas vezes sente medo, aflição e até insônia. Mas fique tranquilo, pois passamos por isso há pouco tempo e certamente poderemos te ajudar. Então assista ao vídeo abaixo e não se esqueça de se inscrever no canal para não perder nenhum conteúdo.

No nosso caso, a Marinês viajou no porão da aeronave. Mas fique tranquilo, pois todas as companhias aéreas estão preparadas para viajar com animais dessa forma. Sempre que tem algum bichinho no voo, eles climatizam o porão e deixam tudo certinho pro bem-estar do nosso pet.

Sei que não é fácil imaginar o seu amado sozinho em um lugar desconhecido, mas, acredite: eles não sofrem como nós sofremos. Podem, sim, ficar um pouco ansiosos, mas o número de animais que viaja de avião diariamente nos quatro cantos do mundo só aumenta, e o número de incidentes é algo insignificante, principalmente quando estamos bem informados e preparados. Então, muita atenção:

DICAS PARA VIAJAR DE AVIÃO COM SEU PET

I – Ir ao veterinário de sua confiança:

  • A escolha de um profissional experiente e de confiança deve ser o primeiro passo. Pois isso irá te deixar mais tranquilo e informado sobre os exames, como a sorologia e implantação do chip, prazos e demais procedimentos (no nosso próximo artigo/vídeo falaremos mais sobre isso).
  • E logo após a sua visita ao veterinário, você deve pesquisar a companhia aérea que pretende viajar (também falaremos mais sobre isso no próximo artigo/vídeo).

II – Acessórios:

Neste momento é muito importante que você entre em contato ou acesse o site da companhia aérea escolhida para saber algumas informações, como tamanho e peso permitidos para embarque na área de passageiros ou no porão da aeronave, regras diversas, tamanho e peso da caixa transportadora, etc.

  • Caixa transportadora: No nosso caso, mesmo a Marinês sendo pequena, optamos por uma caixa nº 5 (os tamanhos são numerados). Isto para que ela pudesse viajar com conforto e atender a algumas exigências da companhia que escolhemos. Além disso, fizemos uma adaptação na caixa para que tivesse nela um bebedouro portátil, inserimos dentro da caixa os panos e brinquedos dela para que ficasse mais tranquila, colocamos adesivos com identificação e na hora do embarque retiramos as rodas da caixa.
A caixa transportadora que foi adotada pela Marinês como lar desde o primeiro encontro
  • Tendo isso definido, é hora de comprar sua passagem e reservar o lugar do seu pet no voo. Isto porque algumas companhias aéreas limitam o número de animais em cada voo, então é bom se antecipar.
  • Roupas: apesar de ser um tema polêmico (que nos desculpem os anti-humanizadores-de-cães, mas jogamos no outro time), achamos importante dar nossa opinião sobre este ponto. A nossa magrelinha já sente frio em pleno verão de Minas Gerais, pensa só no inverno europeu? Além disso, não sabíamos ao certo como seria a temperatura no porão do avião, mesmo sabendo que estaria climatizado e que a temperatura média é de cerca de 21º.
E aí, humanos? O que acharam do meu look outono-inverno?
  • Por último, leve também uma garrafa portátil e alguns petiscos para a chegada. Afinal, seu peludo pode estar com sede e fome, além, claro, da saudade, carência e vontade de brincar. Se quiser ver como nossa magrelinha chegou, assista ao vídeo que deixamos ali em cima. Nele colocamos a cena do reencontro de “pai” e “filha” depois de quatro meses afastados.

III – Cuidados com o Pet:

  • Comida: com alguns dias de antecedência da viagem, adapte a alimentação do seu pet para que ele possa ficar o tempo do voo (mais tempo de embarque, possíveis conexões e desembarque) sem comida. No nosso caso, foram mais de 10h e deixamos a Marinês alguns dias se alimentando apenas uma vez ao dia.
  • Passeio: é muito importante que você canse o seu pet no dia anterior à viagem ou, se possível, no dia da viagem. Com o seu peludo cansado, certamente a viagem dele será mais tranquila, curtindo aquela soneca. Além disso, qualquer oportunidade de irem “ao banheiro” antes de embarcar pode valer ouro. Apesar de termos colocado um tapete higiênico na caixa, nossa magrelinha optou por segurar os nº1 e nº2 até chegar ao destino. E depois foi só alegria, batizando o solo europeu.
  • Calmante sem sedativo: Optamos por dar à Marinês um calmante pra que ela viajasse mais tranquila, pois é uma catiora com uma certa ansiedade à flor do pelo. Esta foi uma recomendação da nossa veterinária de confiança. Se o profissional que você escolheu tiver uma opinião diferente, vai na dele que é sucesso.

Dica Extra – Conversar com o Pet:

olha a polêmica de novo. Anti-humanizadores-de-cães, favor pular este tópico. Nós já conversamos muito com a Marinês. Sério mesmo, trocamos altas ideias e achamos que isso faz bem pra ela e pra nós. Mas neste caso, achamos que as conversas do dia-a-dia tomaram uma importância ainda maior.

Nos meses que antecederam a viagem (sim, foram 4 meses de preparação… no próximo artigo/vídeo irá entender melhor esse tempo) nós tentamos deixá-la tranquila e, de certa forma, consciente de que tudo terminaria bem. Não só pelo fator “primeira viagem de avião” e todas as novidades que isso envolve, mas também pelo fator distância. Afinal, o papai viajou 4 meses antes.

E depois disso ela deixaria pra trás toda a sua rotina, família, amigos, cidade e país, mesmo não sabendo o que significa um país. Creio que nossas conversas (pessoalmente e por chamadas de vídeo) foram muito importantes pra manter a cabecinha amarela dela no lugar.

Se quer mais dicas de cuidados com seu pet, baixe agora nosso e-book grátis com 10 dicas essenciais para um cão feliz. SÉRIO, É DE GRAÇA!

Marinês, como sempre, pagando de atriz-modelo-manequim e fingindo preocupação com a testa franzida

RESUMINDO

Preste atenção: pra ter uma viagem perfeita com seu pet você precisa seguir estes tópicos:

  • Escolha do veterinário;
  • Escolha e compra de acessórios;
  • Cuidados com seu o pet.

No próximo vídeo e artigo sobre este tema iremos abordar detalhes sobre as documentações necessárias para embarcar com seu cachorro. Se inscreva em nosso canal do YouTube para não perder este e nenhum outro conteúdo.

E não se esqueça de seguir a gente também no Instagram e no Facebook. Tchau, humanos!

2 Replies to “Como viajar com cachorro para o exterior [2019 – Parte 1]

  1. É uma viagem cheia de expectativas e incertezas. Muito esclarecedor o vídeo com dicas generosas
    Sucesso gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *